DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MINAS

HISTÓRIA

Embora durante a Constituição do Império, promulgada em 1825, já houvesse um desejo geral de melhoria das instruções públicas nacionais, inclusive com o plano de fundarem-se escolas de mineração e metalurgia, a criação de novos colégios e universidades no território brasileiro foi discutida somente superficialmente. A propósito da contribuição do Brasil à geologia e mineração no século XIX,  é interessante ressaltar que o cognonimado Patriarca da Independência, José de Bonifácio de Andrade, foi – a seu tempo – um dos maiores mineralogistas do mundo, tendo sido responsável pela descoberta e descrição de vários minerais, como espodumênio, petalita, criolita e escapolita e as variedades: acanticônio, salita, cocolita, ictioftalmo, afrisita, vernerita, alocroíta e indicolita.

Em 3 de outubro de 1832, o poder executivo representado então pelos três regentes, sancionou, em nome do Imperador D. Pedro II uma lei votada pela Assembleia Legislativa, criando um curso de mineralogia que compreendia o ensino de explotação das minas, da metalurgia e da docimasia. Essa lei ficou esquecida por um grande período.

Entre 1871 e 1872, Sua Majestade o Imperador D. Pedro II, realizou uma viagem pela Europa e teve contato com vários cientistas, entre eles,  o Prof. Auguste Daubrée, membro da Academia de Ciência de Paris. O imperador queria que Daubrée fizesse um levantamento aqui no Brasil de quais seriam as melhores formas de desenvolvimento de estudos e de exploração mineral. Como Daubrée era também Diretor da Escola de Minas de Paris, ele indicou um mineralogista francês, professor Claude-Henri Gorceix, contratado por Dom Pedro II em 1874, para organizar no Brasil o ensino da mineralogia e da geologia,  promover a exploração e a explotação (ou lavra) das riquezas minerais do país, sob bases científicas, além de fundar uma Escola de Minas no Brasil.

A cidade de Ouro Preto foi escolhida para sediar a Escola de Minas porque, após realizar excursões por diversos territórios brasileiros, Gorceix descobriu que a província oferecia boas condições para os trabalhos práticos que os estudos mineralógicos requeriam. Gorceix foi o primiero Diretor da Escola de Minas de Ouro Preto, que começou funcionando no antigo Palácio dos Governadores, em 12 de outubro de 1876. Em 1969, após decreto do Governo Federal, a Escola de Minas foi incorporada à Escola de Farmácia de Ouro Preto, instituindo-se assim a Universidade Federal de Ouro Preto. Em 1995, a Escola de Minas transfere-se para o Campus Morro do Cruzeiro, comportando atualmente nove cursos da área de engenharia e arquitetura, dentre eles, o curso de Engenharia de Minas.